titas
dengue
energisa
Deputado pede suspensão de reajuste da energia em MS
Energisa até agora não deu explicações sobre os aumentos pontuais nas contas referentes aos meses de novembro, dezembro, janeiro e fevereiro
03/04/2019 17h24
Por: Redacao
Fonte: 94fm
2.013
Marçal Filho emitiu nota de repúdio à Aneel por conceder reajuste para a Energisa ( Foto: Luciana Nassar)
Marçal Filho emitiu nota de repúdio à Aneel por conceder reajuste para a Energisa ( Foto: Luciana Nassar)

O deputado estadual Marçal Filho (PSDB) pede a suspensão do reajuste de 12,39% nas tarifas da Energisa concedido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). A concessionária de energia atende 1,022 milhão de unidades consumidoras em 74 municípios de Mato Grosso do Sul e até agora não deu explicações sobre os aumentos pontuais nas contas referentes aos meses de novembro, dezembro, janeiro e fevereiro, provocando onda de protestos no Estado.

 

O parlamentar apresentou nesta quarta-feira (03) uma moção de repúdio à Aneel, questionando o aumento, visto que em Mato Grosso do Sul já ocorreram cobranças supostamente abusivas, onerando a população. "Esse reajuste demonstra que a Agência Nacional de Energia Elétrica não se preocupa com as pessoas, por isso apresento essa moção de repúdio", explicou o parlamentar.

 

Por se tratar de uma autarquia vinculada ao Ministério de Minas e Energia, do Governo Federal, Marçal Filho diz que vai acionar a bancada federal de deputados e senadores por Mato Grosso do Sul, para realizar uma soma de esforços no sentido de suspender de forma temporária o reajuste de 12,39%. O deputado ainda questiona o valor do aumento, muito maior que o Índice Geral de Preços - Mercado, o IGPM, que foi de 8,27%.

 

"A Aneel não teve a destreza de entender que os inexplicáveis aumentos repentinos nas contas no final do ano passado e início deste ano ainda pesam no bolso do consumidor. As famílias, que já têm que enfrentar os problemas econômicos que assolam nosso país, ainda nem quitaram os débitos exorbitantes junto à Energisa, e agora vão ter que pagar por esse reajuste abusivo", critica Marçal Filho. "Assim, a Agência deixa claro que a preocupação com a população não está entre suas prioridades", reafirma.

 

A Aneel usou como justificativa para o reajuste de 12,39% à Energisa, o aumento dos itens financeiros da tarifa, com impacto de 6,59% do total do reajuste, já incluído o efeito positivo do pagamento antecipado do empréstimo da chamada Conta ACR (-2,61%), que cobriu custos extraordinários com risco hidrológico em 2014, e ajustes em rubrica da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) (-1,09%).

 

Marçal Filho realizou em fevereiro, na Assembleia Legislativa, uma reunião técnica que contou com a participação do diretor-presidente da Energisa, Marcelo Vinhaes, que sinalizou a onda de calor como fator preponderante para o aumento nas contas de energia. Não satisfeito com as explicações, o deputado criou a Frente Parlamentar para o Acompanhamento de Questões Relacionadas ao Consumo de Energia Elétrica. 

 

"As dúvidas ainda estão no ar sobre o aumento nas contas de energia, por isso vamos continuar acompanhando toda essa questão e queremos imediata suspensão desse reajuste de 12,39%", finalizou o deputado.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Site desenvolvido pela Lenium