Domingo, 01 de Agosto de 2021 10:31
Internacional PRECISAMOS DE AJUDA

Bolsonaro insultou o mundo. Agora, o Brasil precisa de ajuda

Dois países em desenvolvimento, enormes em população e em extensão geográfica, são vítimas da devastação do coronavírus. No caso da Índia, o mundo se apressou a responder. No caso do Brasil, a resposta internacional tem sido mais moderada

03/05/2021 16h36 Atualizada há 3 meses
653
Por: REDAÇÃO Fonte: TERRA
redebrasilatual
redebrasilatual

Dois países em desenvolvimento, enormes em população e em extensão geográfica, são vítimas da devastação do coronavírus. Os hospitais esgotaram seus suprimentos. Pacientes são mandados de volta. Em todo lugar, uma nova variante. Precisa-se desesperadamente de ajuda externa.

No caso da Índia, derrubada por taxas recordes de infecção, o mundo se apressou a responder. Esta semana, a Casa Branca divulgou a entrega de mais de US$ 100 milhões em equipamentos e material hospitalar. Cingapura e Tailândia enviaram oxigênio. O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou que o Reino Unido fará "tudo o que puder".

Mas no caso do Brasil, que enterrou 140 mil vítimas nos dois últimos meses, a resposta internacional tem sido mais moderada. Em março, o presidente Jair Bolsonaro solicitou a ajuda das organizações internacionais. Um grupo de governadores pediu à ONU "ajuda humanitária". Há duas semanas, o embaixador brasileiro na União Europeia implorou por ajuda. "É uma corrida contra o tempo para salvar muitas vidas no Brasil".

Mas a resposta tem sido em grande parte ou falta de interesse, ou críticas aos erros do Brasil - e muito pouca ação, até o momento.

"O que está acontecendo no Brasil é uma tragédia que poderia ter sido evitada," afirmou um membro do Parlamento Europeu ao embaixador brasileiro em uma audiência, este mês. "Mas esta tragédia foi baseada em decisões políticas erradas".

"Em lugar de declarar guerra ao coronavíurs", afirmou outro, "Bolsonaro declarou guerra à ciência, à medicina, ao senso comum, à vida".

Desde terça-feira, a presidente do Parlamento Europeu, Ursula von der Leyen, tuitou três vezes sobre a ajuda à Índia. No entanto, pouco ela falou sobre o Brasil.

O contraste entre o tratamento dispensado pela comunidade internacional ao enfrentamento da crise na Índia e no Brasil mostra que as crescentes batalhas diplomáticas de Brasília complicaram a resposta do país contra o coronavírus. A imagem internacional que o Brasil passou décadas cultivando - focalizada no respeito do meio ambiente, amistosa, multilateral - foi solapada por um presidente cuja administração insultou grande parte do mundo no momento em que mais necessitava de ajuda.

Bolsonaro, um nacionalista de extrema direita, que chegou ao poder zombando do globalismo, acusou países europeu inclinados ao respeito do meio ambiente de colonialismo e desmatamento ilegal. Amplificou uma mensagem nas redes sociais usando termos depreciativos contra a aparência da esposa do presidente francês Emmanuel Macron. Reiterou as afirmações infundadas do presidente Donald Trump sobre fraude eleitoral, e foi o último líder do G-20 a reconhecer a vitória do presidente Joe Biden. Durante meses, membros do seu governo e apoiadores dispararam ataques racistas contra a China e zombaram de sua vacina. Na terça-feira, seu ministro da Economia afirmou que a China "inventou o vírus".

PUBLICIDADE
 

Desde o começo da pandemia, o governo federal do Brasil menosprezou a gravidade de um vírus que aleijou este país de 210 milhões de habitantes. Bolsonaro conclamou as pessoas a viverem sua vida normalmente. Muitos lhe deram ouvidos - por causa da pobreza, da política ou do cansaço - o suficiente para comprometer medidas de contenção pouco uniformes. Mais de 400 mil brasileiros já morreram de covid-19, o pior desastre humanitário da história da nação, e o segundo maior do mundo, depois dos Estados Unidos.

Agora, ainda mergulhado no período mais mortal de sua pandemia - outros 3.001 morreram na terça-feira, segundo informações - um país que há muito gabava de ser amigo de quase todo mundo, agora se encontra em grande parte sem amigos.

"O mundo inteiro está tentando ajudar a Índia", disse Maurício Santoro, cientista político da UERJ. "Mas Bolsonaro tornou-se um problema internacional tão grande que ninguém está disposto a ajudá-lo."

"Ninguém fala em dar grande ajuda ao Brasil."

À pergunta da razão pela qual os Estados Unidos não se mexeram para ajudar o Brasil com a urgência demonstrada em relação à Índia, um porta-voz do Departamento de Estado apresentou uma lista de contribuições dos EUA ao Brasil antes da fase pior da pandemia, por um total de mais de US$ 20 milhões em assistência fornecida pelo governo. O porta-voz acrescentou ainda os US$ 75 milhões de "ajuda do setor privado". A contribuição, grande parte da qual foi enviada durante a administração Trump, incluiu mil ventiladores e 2 milhões de comprimidos de hidroxicloroquina.

"Continuamos ativamente dispostos a discutir com o governo brasileiro suas necessidades e a encontrar maneiras de continuarmos nossa parceria com o Brasil a fim de ajudar a satisfazer as suas necessidades", afirmou o porta-voz do Departamento de Estado.

Outros países também contribuíram. A Alemanha enviou ventiladores depois que o sistema médico da cidade de Manaus fracassou. A Organização Mundial da Saúde começou a enviar vacinas por meio de um programa que visa sanar as de imunizantes. A União Europeia e seus países membros concederam cerca de US$ 28 milhões em doações desde o início da pandemia, segundo um porta-voz. Em resposta a uma solicitação do Brasil em março, o bloco contribuiu para o envio de "80 mil unidades de medicamentos criticamente necessários" ao Brasil.

Mas a falta de mais assistência internacional - ou mesmo de uma maior expressão de solidariedade - durante os meses de maior desespero no Brasil, confirmou os temores de que o país venha a pagar um preço internacional pela atitude de confronto de Bolsonaro em matéria de política externa e de zombaria em relação às medidas contra o coronavírus aceitas pelos líderes globais.

"O País perdeu influência em inúmeros níveis", afirmou Oliver Stuenkel, professor de relações internacionais da Fundação Getúlio Vargas em São Paulo.

O Brasil nunca irritou o mundo. Vasto, tranquilo e em desenvolvimento, seguiu tradicionalmente o que Stuenkel descreveu como uma política externa "previsível", baseada na construção de alianças. Ano após ano, procurou estender o seu corpo diplomático, um dos maiores do mundo em desenvolvimento.

Voltar-se contra a sua história foi uma jogada que o Brasil não podia se permitir.

"Os EUA conseguiram tirar um Trump porque não precisam tanto do mundo", disse Stuenkel. "Eles podem produzir suas próprias vacinas. Mas no Brasil, tal comportamento foi particularmente imprudente porque dependia da comunidade internacional. Nós não temos poder forte. Nós precisamos de multilateralismo".

PUBLICIDADE
 

Em vez disso, o governo Bolsonaro menosprezou a fé na China e em suas vacinas ao mesmo tempo em que o Brasil dependia do país para obter material para as vacinas. Em abril passado, o ex-ministro da Educação de Bolsonaro tuitou uma mensagem racista provocando uma violenta censura da China e da Suprema Corte brasileira. O filho do presidente, membro do Congresso brasileiro, culpou a China pela pandemia, depois a acusou de usar o sistema 5G para espionagem.

O governo chinês advertiu que haveria "consequências negativas" se tal retórica continuasse. Em janeiro, o embarque de material da China para a produção de vacinas sofreu um considerável atraso, provocando uma série de especulações. Para alguns veículos de informação, os insultos do governo tiveram consequências.

Esta semana, enquanto as autoridades de saúde do país recusavam a vacina Sputnik V da Rússia, alegando falta de transparência, o ministro da Economia, Paulo Guedes, criticou a vacina chinesa que o Brasil tem.

"Os chineses inventaram o vírus", afirmou, "e sua vacina é menos eficiente do que a americana".

O embaixador chinês revidou: "Até este momento, a China é a principal fornecedora de vacinas e de material básico ao Brasil".

Os que estão pagando o custo destas disputas diplomáticas são os brasileiros comuns, afirmou Michael Shifter, presidente do Diálogo Interamericano sediado em Washington.

"O povo brasileiro está sofrendo e morrendo a taxas absurdas," ele disse. "E esta é a parte mais trágica". / Tradução de Anna Capovilla

Estadão

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Vicentina - MS
Atualizado às 11h27 - Fonte: Climatempo
21°
Muitas nuvens

Mín. 13° Máx. 24°

21° Sensação
19.5 km/h Vento
33.6% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (02/08)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 12° Máx. 27°

Sol com algumas nuvens
Terça (03/08)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 12° Máx. 29°

Sol com algumas nuvens
Ele1 - Criar site de notícias