tv1
dengue
CORRUPÇÃO

Marçal Filho vira réu por corrupção em 2010: ‘preciso de uns 2 milhões pra campanha’

Justiça Federal aceitou denúncia contra o agora deputado estadual por pedir recursos da Prefeitura de Dourados em troca de apoio político quando foi reeleito deputado federal

28/08/2019 16h58
Por: Redacao
Fonte: MIDIAMAX
2.109
Deputado Marçal Filho durante sessão na Assembleia Legislativa. (Wagner Guimarães, ALMS)
Deputado Marçal Filho durante sessão na Assembleia Legislativa. (Wagner Guimarães, ALMS)

O deputado estadual Marçal Filho (PSDB) se tornou réu em ação penal por corrupção passiva, após a Justiça Federal aceitar denúncia do MPF (Ministério Público Federal) a respeito de crimes supostamente cometidos nas eleições de 2010, quando foi reeleito deputado federal. A ex-esposa de Marçal, a radialista Keliana Fernandes Mangueiras, também virou réu no processo.

De acordo com o MPF, durante a campanha de 2010, Marçal e Keliana participaram de reuniões com o então secretário de Governo da Prefeitura de Dourados, Eleandro Passaia, nas quais pressionaram por doação de R$ 2 milhões, em troca de compromisso político futuro com o então prefeito Ari Artuzi.

Os envolvidos nas negociações chegaram a cogitar expressamente que fosse realizado um “esquema dos remédios” pelo prefeito, de forma a que fossem viabilizados os recursos para a campanha política a deputado federal de Marçal Filho.

Os investigadores tiveram acesso a conversas em que foram registradas as negociações. Entre os trechos dos diálogos travados pela dupla de réus e o então secretário Passaia, destacam-se aqueles em que eles vinculam apoio político à doação de recursos para a campanha.

Marçal: “se ele (prefeito) quiser que eu faça algum compromisso, presente ou futuro, eu preciso de muita grana (…) eu quero é dinheiro, não quero conversa. Eu preciso de uns 2 milhões pra fazer essa campanha. Se eu tivesse sido quatro anos deputados federal ele tinha 5 milhões pra campanha, e não só dois. (…) As minhas emendas todos sabem…o cara tem que dar um retorno pra mim. (…) As únicas emendas que eu peguei foram do ano passado pra esse ano (2010). (…) Eu fui falar com os empreiteiros pra ver se eles adiantavam (…) Se eu arrumasse quem adiantava eu tenho doze milhões e meio, pelo menos um milhão se fosse dez por cento”.

Keliana: “vê aquele esquema lá que você falou pra mim, dos remédios (…) cara te passa e você (…) sabe como é que passa pra ele, não sei, eu passo pra você e você se vira. Porque você não pede a alguém que já faz isso e você tenha confiança (…) você vai lançar na planilha e eu vou devolver o dinheiro depois”.

Passaia: “o que dá pra fazer é o seguinte. Na Secretaria de Saúde você faz uma licitação de medicamentos. (…) Faz uma compra de quinhentos mil reais em medicamentos, daí você coloca o pedido quinhentos e cinquenta mil reais. Mas na verdade você recebe em medicamentos quinhentos mil, esse cinquenta é um dinheiro a mais, (…) ela vai e repassa esses cinquenta mil para a prefeitura. (…) a prefeitura é cheia de esquema assim, que dá dinheiro pra vereador, que dá dinheiro em época de campanha pra deputado. (…) O que você quer é o dinheiro, mesmo porque você tá sabendo que você, porque na verdade é um negócio ilegal. (…) Isso dá até cadeia”.

Keliana: “dá pros dois então, mesmo que eu tivesse aqui fazendo alguma coisa de errado, gravando alguma coisa ou você estivesse gravando, f… os dois e pronto”.

Marçal Filho concorreu nas eleições de outubro de 2010, quando era filiado ao MDB, tendo sido reeleito para deputado federal para a legislatura seguinte, iniciada em fevereiro de 2011. Em 2009, ele havia sido empossado na vaga de deputado deixada por Waldir Neves, que deixou a Câmara Federal para assumir posto no Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul.

Durante a sessão nesta quarta-feira (28) da Assembleia Legislativa, Marçal Filho informou que só irá se manifestar após tomar ciência do inteiro teor das acusações do Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul e da decisão da Justiça Federal de Dourados.

*Colaborou Renata Volpe.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
telefome uteis
dourados agora
anuncie aqui
Municípios
Últimas notícias
donadela
Mais lidas
preto