Quinta, 06 de Agosto de 2020
67999851200
Brasil PANDEMIA

Neto abre caixão durante velório e descobre que corpo de avó foi trocado

Família da idosa de Belém (PA) percebeu que o corpo no caixão estava trocado; a mulher foi encontrada viva no hospital

17/07/2020 15h22 Atualizada há 3 semanas
2.176
Por: Redacao Fonte: Correio Braziliense
Neto abre caixão durante velório e descobre que corpo de avó foi trocado

A família de uma mulher de 68 anos diagnosticada com Covid-19 percebeu durante o velório que o corpo no caixão era de outra pessoa. Apesar da emissão da certidão de óbito ter o nome de Maria da Conceição Oliveira, a idosa está viva e foi encontrada, após insistência da família, em um leito do Hospital Abelardo Santos, em Belém, no Pará

 
Um dos netos da mulher descumpriu as recomendações das autoridades de saúde e abriu o caixão durante o velório, na sexta-feira (1º/5). Ao site de notícias G1, a família de Maria contou que desconfiou da morte da idosa após o funcionário da funerária falar características do corpo dentro do caixão.
 
Após perceberam que o corpo havia sido trocado, os familiares foram até o hospital. “Fizemos um escândalo na frente e entrou o neto dela. Ele teve que ver mais de 30 cadáveres, um por um, correu risco, e não encontrou a avó. Todo mundo dizendo que ela estava morta”, disse Tallya Fernandes, parente de dona Maria.
 
Continua depois da publicidade
A família contou com a ajuda de uma enfermeira para encontrar o paradeiro da idosa. A funcionária chegou a fazer uma chamada de vídeo com os netos de Maria para comprovar que ela está viva. A família informou que registrou um boletim de ocorrência contra a unidade de saúde. 
 

Colapso funerário

 
O estado do Pará vive um colapso funerário. Em nota, a Secretaria de Saúde (Sespa) reconheceu o erro envolvendo Maria da Conceição e informou que a confusão é consequência da falta de estrutura diante do aumento de doentes e de mortos. Segundo a Sespa, o serviço de Verificação de Óbito (SVO) atendeu na última sexta-feira (1º/5) 35 casos, destes cerca de 50% foram por síndrome respiratória aguda grave (SRAG), o que é cerca de 20 vezes mais do que o normal.
 
Até o último boletim epidemiológico, o Pará registrava 4.125 casos confirmados de coronavírus e 330 mortes. 
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias