Terça, 02 de Março de 2021 06:52
67999851200
Brasil MS

E agora Azambuja quem está mentindo?: Pazuello diz ao STF que Mato Grosso do Sul não tem seringas para campanha contra covid-19; Estado nega

E agora Azambuja?

17/01/2021 17h53 Atualizada há 1 mês
2.274
Por: Redacao Fonte: O JACARPE
Ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, disse ao Supremo que Mato Grosso do Sul não tem seringas suficientes para vacinação contra covid-19 (Foto: Agência Brasil)
Ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, disse ao Supremo que Mato Grosso do Sul não tem seringas suficientes para vacinação contra covid-19 (Foto: Agência Brasil)

O ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, informou ao Supremo Tribunal Federal que sete estados brasileiros não possuem estoque suficiente de insumos para iniciar a campanha de vacinação contra o coronavírus. Um deles seria Mato Grosso do Sul, que dispõe de apenas 162,8 mil seringas e agulhas para uma população de 2,8 milhões.

O Governo do Estado rebateu a informação e nega falta de materiais para iniciar a imunização contra a covid-19, que já matou 2.625 pessoas em MS. Em nota (veja aqui), a Secretaria Estadual de Saúde informou que dispõe de 2,5 milhões de unidades.

Aliás, Mato Grosso do Sul não foi o único a desmentir o general do Exército. De acordo com a coluna Painel, da Folha de São Paulo (veja aqui), outros estados também contestaram as informações repassadas pelo ministério para o STF.

O ofício foi enviado por determinação do ministro Ricardo Lewandowski, do STF, que havia determinado ao Governo federal para informar o quantitativo de seringas e agulhas nos estados para a campanha nacional de vacinação.

Conforme o Governo do Estado, há dois processos de compra de seringas. O primeiro prevê a aquisição de 740.681 unidades. O segundo vai adquirir mais 7 milhões de seringas e agulhas.

“Com o apoio da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública, a SES (Secretaria Estadual de Saúde) elaborou um plano estadual de imunização, que inclui o planejamento para a distribuição das vacinas, de forma simultânea e segura para os 79 municípios. Isso em até 48 horas após a chegada das doses em Mato Grosso do Sul”, informou a assessoria do governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

Em meio à polêmica sobre a eficácia da vacina, o Brasil enfrenta outros problemas. O Ministério da Saúde só conseguiu adquirir 3% das seringas necessárias para a campanha de vacinação.

O brasileiro ainda não tem conhecimento qual a vacina será adquirida pela gestão de Bolsonaro. Apesar do presidente ter debochado da baixa taxa de eficácia da Coronavac, vacina produzida pelo Instituto Butantã, de São Paulo, o ministério cogita comprar 100 milhões de doses.

A outra opção é o imunizante produzido pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), no Rio de Janeiro. No entanto, a medida ainda dependa da importação de 2 milhões de doses da Índia. As duas vacinas aguardam autorização emergencial da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que prometeu anunciar a medida no domingo.

Cerca de 50 países já iniciaram a vacinação no mês passado. O mundo inteiro corre contra o tempo para frear a pandemia da covid-19. Parte da população, inclusive profissionais de saúde, questiona a rapidez na obtenção do imunizante, considerado inédito no mundo.

A última vez que houve um movimento contra a imunização contra a varíola foi no início do século passado no Brasil, que ficou conhecido como a revolta da vacina. A vacinação era obrigatória desde 1837. Em 1904, Oswaldo Cruz convenceu o Governo a cumprir a obrigatoriedade.

A população saiu às ruas para protestar e a revolta acabou com 945 prisões, 461 deportados, 110 feridos e 30 mortos em duas semanas de conflito. O resultado levou o presidente Rodrigues Alves a desistir da vacinação obrigatório no final de 1904.

No entanto, quatro anos depois, em 1908, o Rio de Janeiro foi atingido pela mais violenta epidemia da varíola da história e a população correu às unidades de saúde para ser vacinada.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Vicentina - MS
Atualizado às 07h36 - Fonte: Climatempo
24°
Poucas nuvens

Mín. 24° Máx. 35°

24° Sensação
24.7 km/h Vento
70% Umidade do ar
90% (13mm) Chance de chuva
Amanhã (03/03)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 24° Máx. 33°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Quinta (04/03)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 24° Máx. 34°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Ele1 - Criar site de notícias